Seja bem vindo!

Nova Canaã

Home
Fique por Dentro
  • Notícias

Em Mato Grosso, pastagem se aprimora e pode receber mais bois

Na década de 1970, quando a família Wolf chegou a Nova Canaã do Norte (em Mato Grosso, divisa com o Pará) para trabalhar com pecuária, a região tinha pouca infraestrutura, as estradas eram raras, faltava mão de obra especializada para lidar com os animais e a assistência técnica era cara e algo distante.

Em menos de cinco décadas, o norte do Mato Grosso virou a nova fronteira nacional da soja, e os Wolf cresceram juntos. Suas três fazendas somam 12,5 mil hectares e são grandes produtoras de gado, soja e milho.

Em 2009, a família foi uma das primeiras a adotar a ILPF (Integração Lavoura Pecuária Floresta) na região. A convite da Embrapa, o grupo aceitou implantar em 120 hectares de uma das fazendas uma unidade experimental de integração. Para efeito de comparação, um hectare equivale a um campo de futebol.

“O pesquisador propôs fazer um teste numa área de pasto degradado e misturar agricultura com árvore para ver como funcionava”, lembra Daniel Wolf, 34.

No local onde antes era praticada a pecuária, foram plantadas quatro espécies florestais: eucalipto, teca, pinho-cuiabano e pau-de-balsa, em linhas simples, duplas ou triplas de árvores. Entre as linhas, os Wolf passaram a cultivar arroz, soja/feijão e soja/milho, intercalados com braquiária, capim usado para alimentar o gado.

COMO FUNCIONAIntegração lavoura-pecuária- floresta

Com o sistema, os animais passaram a ter ganho de peso de 700 gramas por dia, 300 gramas a mais do que antes, segundo Wolf. “A diversificação melhorou a qualidade do solo e aumentou a capacidade de pastagem. Antes ela era, em média, de um animal e meio por hectare. Hoje pode chegar a até dez animais.”

No terceiro ano, quando as árvores já estavam grandes e projetavam sombra sobre a plantação, a produtividade da soja caiu de 61 para 41 sacas por hectare. O produtor então mudou a lavoura para outra área e aumentou o espaçamento entre as árvores.

A perda na soja foi compensada pela produção florestal, algo que a fazenda não tinha. Parte da madeira, sobretudo a teca, é exportada para a Índia. Outra fatia, de eucaliptos, é usada para renovar as cercas de todas as propriedades da família e acionar o secador de grãos.

Agora, a meta de Wolf é expandir a área integrada em até 50 hectares por ano. “Usando a ILPF de maneira correta você consegue melhorar o solo, a produção e a renda independentemente do tamanho da propriedade”, afirma o produtor.

Nova fronteira de sustentabilidadeIntegração lavoura-pecuária-floresta cresce no país
EXEMPLO DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Veja também

Nova canaã

Conhecemos os desafios do campo porque também somos produtores. Especializados em nutrir seu rebanho com muita tecnologia, inovação e produtos de alta qualidade.

Nossa Fábrica

Rodovia MT 320, km 193
Nova Canaã do Norte – MT
CEP 78515-000

(66) 3551-1280

Contato

nas redes